Total de visualizações de página

sábado, 2 de outubro de 2010

Voto de Confiança - (Poema sobre Política com Rimas)

               (...Poesia sobre: Voto, luta, país, governo, confiança, povo, rima sobre política, dirigentes, padecer, pão, vinho, poesia sobre politica com rimas, representante, rimas com a palavra política, verdadeiro, fraco, forte, poema sobre politica com rimas. Assuntos relacionados: Poema, Rima, Verso, Prosa, Música.)


O verdadeiro dirigente
É aquele que conhece
O sofrimento de seu povo
E o quanto ele padece.

É aquele que tomava
O mesmo vinho, a mesma água,
Que comia o mesmo pão
E que trazia a mesma mágoa.

O verdadeiro governante,
Não se sente importante,
Governa para os humildes,
É o seu representante.

É aquele que defende
O mais fraco e oprimido,
Que luta pra melhorar
O modo que temos vivido.

O povo o colocou
No mais alto escalão,
Um voto de confiança,
Um voto de esperança,
O País na sua mão.

..........................................................................................
Quem leu esta poesia, também acessou as seguintes páginas:






Indignado Politicamente - (Sobre Política com Rimas)

               (...Poesia sobre: Eleição, corrupção, violência, fome, saúde, poesia sobre o brasil de hoje, poemas sobre sociedade, população, poesia crítica social, poema critico social, poesia sobre politica com rimas, poesia politica brasileira, poemas sobre politica, poemas sobre politica e sociedade. Assuntos relacionados: Poema, Rima, Verso, Prosa, Música.)


Tá faltando emprego pra população,
O povo não pode ter educação.
As drogas proliferam como epidemia,
Tudo é muito fácil, é País da folia.

A violência assola a população,
O povo acuado, tranca o portão.
De um lado tem o que morre de fome,
Do outro lado tem aquele que consome.

O País doente que não tem saúde,
Peço a Deus do céu pra que nos ajude.
Todo mundo pensa em aproveitar,
Em encher ao bolsos para se fartar.

O povo está cansado de tanta promessa,
Nossos governantes não estão com pressa.
Em ano de eleição, se pintam pra batalha,
Enquanto o povo sente o fio da navalha.

Indignado eu fico, indignado estou.
Indignado, eu choro pelo que restou.
Indignado, eu vivo muito inseguro.
Indignado, estou com medo do futuro.

..........................................................................................
Quem leu esta poesia, também acessou as seguintes páginas:








Óbvio Demais - Auto-destruição (Sobre Gerras e Realidade)

               (...Poesia sobre: Sangue, vidas, raça humana, humanidade, inocentes, paz, indiferença, descaso, morte, guerra, mal, poesia sobre realidade, versão, poesia sobre gerras, banalidade, flores, realidade, triste, poema sobre gerras, poema sobre realidade. Assuntos relacionados: Poema, Rima, Verso, Prosa, Música.)


Nem toda verdade merece ser dita,
Se ninguém acredita na minha versão.
Se falo de sangue alguns me aplaudem,
Se falo de flores, nem dão atenção.

Se falo de paz, parece banal.
É óbvio demais a destruição.
O mal que assola a humanidade
É realidade em toda nação.

Falar de futuro é muito difícil,
Não tenho artifícios pra me expressar.
Nem toda a verdade merece se dita
Se ninguém acredita no que vou falar.

O sangue que jorra é vida ceifada,
Mais um inocente jogado ao chão,
Em nome da guerra que não faz sentido,
Um mundo perdido em destruição.

Nem toda verdade merece ser dita,
Se ninguém acredita na minha versão.
Dizimados pela raça humana,
É a nossa auto-destruição.

..........................................................................................
Quem leu esta poesia, também acessou as seguintes páginas:





Terra Natal - (Sobre Cidade e Campo)

               (...Poesia sobre: Pessoas, cidade, fazenda, poema sobre cidade e campo, poesia sobre cidade e campo, poema sobre cidade, poema sobre campo, poesia sobre campo, poesia sobre cidade, poesia sobre terra natal, poema sobre terra natal. Assuntos relacionados: Poema, Rima, Verso, Prosa, Música.)


Aqui, as coisas são diferentes.
Tudo passa tão ligeiro, aqui.

Correria todo dia,
Ninguém fala com ninguém
As pessoas se esbarram,
Uns vão indo outros vem.

Más é que não sou daqui,
Não compreendo esse lugar.
Sou simplório, sou matuto.
Pra minha terra, quero voltar.

Lá, o tempo passa devagar.

O dia é longo demais,
Eu tenho um tempo de paz,
É um prazer aproveitar.
A vida é tão natural,
Não vejo nada igual,
Sinto saudades em pensar.

Eu vejo estrelas no céu,
A lua enfeita o meu céu,
O vento manso a sussurrar.
Eu ouço o galo cantar
E os passarinhos também,
O sol raiando, já evem.

Na cachoeira banhar,
Vou no riacho pescar,
Tem fruta fresca no pomar.
É neste chão que nasci,
Terra que me viu crescer,
É lá que eu quero morrer.

Vivendo e Aprendendo - (Sobre Recomeço e Caminhos)

               (...Poesia sobre: Medos, sonhos, desejos, história, paz, vivendo e aprendendo, poema sobre recomeço, poesia sobre recomeçar, poema sobre caminho, poesia sobre caminho, poema sobre viver e aprender, poesia sobre viver e aprender. Assuntos relacionados: Poema, Poesia, Rima, Verso, Prosa, Música.)


Enterre seus mortos,
Abandone os fantasmas,
Esqueça seus medos
E siga em paz.

Uma nova história
É feita de sonhos,
Movida a desejos
E um pouco de paz.

Vire esta página,
Escolha seu rumo,
Caminhe pra frente,
Não olhe pra trás.

A vida é assim,
Ganhando ou perdendo,
Chorando ou sorrindo,
A vida é assim,
É vivendo e aprendendo.

..........................................................................................
Quem leu esta poesia, também acessou as seguintes páginas:






Arquivo do blog

Postagens mais visitadas no Ano Passado